Taxas de juro: como afetam o nosso dinheiro?

Taxas de juro: como afetam o nosso dinheiro?

Sim, as taxas de juro afetam o modo como tomamos decisões financeiras. Por exemplo, quando as taxas de juro são altas, os empréstimos bancários ficam mais caros, desincentivando o crédito. Em contrapartida, investir em dívida torna-se mais atrativo.      

Para o aforrador o juro representa uma compensação por um determinado investimento, ou seja, pela disponibilização do seu dinheiro a terceiros. Já para quem faz um empréstimo, o juro é um custo pela utilização do dinheiro alheio. A taxa de juro é uma percentagem do capital investido/emprestado que difere em função do capital envolvido, da operação e do risco mas que também é influenciada por fatores macroeconómicos.

As taxas de juro não são todas iguais

Existem diferentes taxas de juro que variam em função do tempo, risco e operação como as taxas de juro ativas (empréstimos) e passivas (investimentos). Estas podem ser simples ou compostas. A taxa de juro simples é uma percentagem de um determinado montante. No caso do juro composto, o valor recebido de juros é novamente incorporado no capital, obtendo-se sucessivamente um novo capital superior ao inicial. O juro cresce mais do que proporcionalmente ao longo do tempo.

Como são determinadas as taxas de juro?

As taxas de juro são veículos privilegiados de transmissão de estímulos à economia, do controlo da inflação e da procura de moeda. São influenciadas diretamente pela política monetária definida pelos bancos centrais.

Através da fixação da taxa de juro à qual emprestam dinheiro aos bancos comerciais (taxas de juro diretoras), os bancos centrais influenciam as taxas de juro interbancárias – como a Euribor que, por sua vez, influencia o juro que pagamos ou recebemos. Esta cadeia de causa e efeito, que liga a política monetária à economia real, explica as variações das taxas de juro.

Que impacto têm as taxas de juro na tomada de decisões financeiras?

Ao aumentar a taxa de juro diretora, o banco central torna o dinheiro mais caro, o poder de compra diminui e a poupança renderá juros maiores. O recurso ao crédito é desincentivado e as decisões de consumo são adiadas. No cenário inverso o dinheiro fica mais barato e, consequentemente, é mais barato pedir um empréstimo, estimulando assim os gastos das famílias, o investimento das empresas e a expansão económica.

Este cenário verifica-se atualmente na zona euro, com a Euribor (taxa de referência interbancária) a assumir valores negativos há vários meses.

O anúncio de uma variação na taxa de juro diretora gera expectativas nos agentes sobre a evolução da economia, que condicionam as suas decisões no presente e a escolha dos seus investimentos financeiros.

Como é que as taxas de juro influenciam a escolha de investimentos financeiros?

Se o Banco Central Europeu anunciar uma subida das taxas de juro, é expectável uma queda antecipada no mercado acionista, uma vez que famílias e empresas retraem os seus consumos, gerando nos investidores expectativas de lucros menores e a consequente redução do preço das ações.

As ações tornam-se menos apetecíveis, uma vez que o retorno esperado pode não compensar o risco de investir em títulos sem garantia de retorno e do próprio capital investido quando há outros investimentos que aparentam ser mais seguros, previsíveis e que permitem obter retornos mais satisfatórios, nomeadamente os investimentos de rendimento fixo (depósitos, obrigações e outros títulos de dívida).

No cenário oposto seria esperado que os agentes aumentassem o consumo e o investimento. Resultaria disto uma consequente valorização do mercado acionista.

Quando as taxas de juro descem ou estão baixas há uma maior propensão para investir em produtos de rendimento variável na expectativa de obter um retorno maior. Ou seja, a descida da taxa de juro significa que as ações podem subir, pois as famílias têm mais dinheiro – e podem pedir emprestado – mas também porque os custos de financiamento das empresas diminuem. Sendo a dívida uma parte importante de muitas empresas, uma descida dos juros nas que estão mais alavancadas será muito benéfico para os seus resultados (na maioria das empresas mas não necessariamente para todos os modelos de negócio).

A reter

Além das decisões de política monetária dos bancos centrais, existem vários fatores que influenciam as taxas de juro, como a taxa de inflação e a procura de moeda. Quanto maior a taxa de juro, maior será a procura pela moeda e por isso maior o seu preço relativamente a outras moedas de países com menores taxas de juro. Por se tratar de uma variável económica tão crítica e presente nas diversas soluções financeiras que estão à disposição, é imprescindível que a analise em detalhe antes de tomar a sua decisão financeira.

 

Receba a nossa newsletter

Fique a par das últimas novidades do BiG e receba periodicamente os nossos conteúdos.