Gurus do investimento dos últimos 100 anos: parte 2

Gurus do investimento dos últimos 100 anos: parte 2

Contam-se pelos dedos das mãos os verdadeiros gurus do investimento. Aqueles que desenvolveram a sua própria estratégia de investimento e, mantendo-se fiel à mesma ao longo das décadas, entraram na lista dos homens mais ricos e influentes do mundo. Estes são alguns deles.

 

1) George Soros

  • Nascimento: 1930
  • Posição: Empresário, investidor, gestor de fundos e filantropo
  • Património: 8 mil milhões de dólares
  • Perfil:
    Conhecido como “o homem que arruinou o Banco de Inglaterra”, George Soros nasceu em Budapeste, na Hungria, tendo emigrado para o Reino Unido após a Segunda Guerra Mundial, para fugir aos avanços comunistas.
    Formou-se na conceituada London School of Economics e criou o Quantum Fund em 1973, gerindo-o até 2011. Fundou ainda, em 1969, a empresa de investimento Soros Fund Management, que ainda hoje se mantém como uma das mais rentáveis da indústria.
    Mas foi no início dos anos 90 que George Soros fez fortuna. E fê-lo da seguinte forma: especulou contra a libra. Apostou que esta iria perder valor significativo ao longo de um único dia, a chamada “quarta-feira negra” (16 de setembro de 1992). Com esta afronta ao sistema bancário britânico fez nada mais, nada menos do que mil milhões de dólares.

 

  • Filosofia de investimento:

A versão resumida é esta: George Soros é um especulador. Distingue-se sobretudo pelos investimentos elevados e altamente voláteis que faz a favor de movimentações das taxas de câmbio, preços, ações ou obrigações. Traduzindo: Soros aposta que o valor destes ou outros tipos de ativos vai subir ou descer, com base em alguma análise macroeconómica, mas sobretudo instinto.

  • Lições de investimento:
    • “Os mercados estão num constante estado de incerteza e fluxo, e o dinheiro é feito ao descontar o óbvio e apostar no inesperado.”
    • “Quanto pior se torna uma situação, menor é o esforço necessário para a reverter e maior é o lado positivo.”
    • “Se investir é divertido para ti, provavelmente não estás a fazer dinheiro. O bom investimento é aborrecido.”

 

  • Submergir nas suas teorias de investimento:
    O Novo Paradigma Para os Mercados Financeiros: A Crise Financeira de 2008 e o Seu Significado
    George Soros (2008)

 

 

2) Carl Icahn

  • Nascimento: 1936
  • Posição: Chairman da Icahn Enterprises, investidor, gestor de fundos e filantropo
  • Património: 17,5 mil milhões de dólares
  • Perfil:

O percurso de Carl Icahn não começou da forma mais convencional. Criado em Nova Iorque, licenciou-se pela Universidade de Princeton em Filosofia, em 1957, inscrevendo-se depois num curso de Medicina, que nunca chegou a concluir. Só no início dos anos 60 começou a trabalhar como corretor da bolsa, para apenas alguns anos depois se lançar a solo na carreira financeira.

Começou a adquirir participações em algumas das maiores empresas americanas – como a Time Warner ou a American Airlines – e a tirar partido da sua posição para exercer influência nas práticas de negócio dessas mesmas empresas. Ao longo dos anos, este seu estilo de investimento agressivo valeu-lhe guerras com grandes CEO e corporações.

Em 2004, criou ainda um fundo de investimento, para que outros investidores pudessem beneficiar do chamado “Elevador Icahn”: diz-se que quando Carl Icahn começa a comprar ações de uma empresa que considera promissora – mas mal gerida –, o preço das ações dispara.

Os seus investimentos mais recentes têm passado por empresas como Netflix, Dell, Apple ou eBay. Segundo a Forbes, é um dos homens mais influentes do mundo, além de ser o quinto gestor de fundos mais rico.

 

  • Filosofia de investimento:

Por ser um dos mais célebres “investidores-ativistas” do mundo, Carl Icahn serviu de inspiração à personagem Gordon Gecko (interpretada por Michael Douglas) no filme de 1987 Wall Street. Desde os anos 70 que a sua forma de investir assenta em usar o seu estatuto e participações em determinadas empresas para as pressionar a fazer mudanças que considera promissoras. Uma filosofia que pressupõe ir contra a maré e fomentar inimizades, mas que (no seu caso) se tem revelado bem-sucedida.

 

  • Lições de investimento:
    • “Os CEO são pagos por fazerem um trabalho terrível. Se o sistema não fosse uma bagunça tão grande, homens como eu não fariam tanto dinheiro.”
    • “Algumas pessoas ficam ricas ao estudar a inteligência artificial. Eu faço dinheiro ao estudar a estupidez natural das pessoas.”
    • “Quando a maioria dos investidores, incluindo os profissionais, concordam em alguma coisa, normalmente estão errados.”

 

  • Submergir nas suas teorias de investimento:
    • King Icahn
      Mark Stevens (1993)
  • Presença nas redes sociais:

Facebook

Twitter

 

3) Peter Lynch

  • Nascimento: 1944
  • Posição: Ex-investidor, ex-gestor de fundos e filantropo
  • Património: +352 milhões de dólares
  • Perfil:

Peter Lynch estudou História, Psicologia e Filosofia na Universidade de Boston, em 1965, conciliando os estudos com o trabalho de caddie. Surpreendentemente, foi nos campos de golfque teve o seu primeiro contacto com o mundo do investimento: conheceu vários empresários e investidores, entre eles George Sullivan, presidente da Fidelity Investments.

Foi nessa empresa que começou a trabalhar, em 1968, como analista – já depois de ter servido durante dois anos no exército e estudado Finanças na Wharton School da Universidade da Pensilvânia.

Cresceu dentro da empresa e, em 1977, assumiu a gestão do fundo Fidelity Magellan – alcançando uma incrível rentabilidade anual de 29,24%. Reformou-se em 1990, embora continue, atualmente, a trabalhar como vice-presidente não executivo do grupo financeiro Fidelity Management & Research Company.

 

  • Filosofia de investimento:
    Peter Lynch é frequentemente descrito como um “camaleão” – ao longo dos anos, demonstrou uma incrível capacidade de ajudar a sua estratégia e estilo de investimento às circunstâncias. Ainda assim, procurou seguir à risca alguns mantras na hora de escolher ações para comprar, entre os quais: conhecer o que está a comprar; evitar previsões da economia e taxas de juro a longo-prazo; comprar negócios bem geridos; ser flexível e humilde.

 

  • Lições de investimento:
    • “Investe apenas no que conheces.”
    • “O meu maior erro foi vender ações demasiado cedo.”
    • “Toda a gente tem capacidade mental para acompanhar o mercado acionista. Se fizeste a matemática do quinto ano, então consegues fazer isso.”
    •  “Investir sem fazer pesquisa é como jogar póquer sem nunca olhar para as cartas.”

 

  • Submergir nas suas teorias de investimento:
    • Learn to Earn
      Peter Lynch e John Rothchild (1996)

O BiG pode ajudá-lo

Receba a nossa newsletter

Fique a par das últimas novidades do BiG e receba periodicamente os nossos conteúdos.