Como e onde começar a investir?

Como e onde começar a investir?

Os mercados financeiros estão hoje à distância de um simples clique, mas a variedade de soluções e a sua sofisticação podem eventualmente inibir potenciais investidores. Para que possa compreender e aproveitar todas as oportunidades para rentabilizar o seu dinheiro sem medos, esta é a informação essencial que deve ter em mente.

 

Mercado financeiro: um conceito versátil

Um mercado é um local, físico ou virtual, em que a oferta e a procura se encontram e formam o preço para um determinado bem, através das suas interações. É um pouco como numa lota em que os pescadores vão vender o pescado e os clientes os esperam na tentativa de conseguirem o melhor peixe pelo melhor preço. Este é acordado, de forma transparente, envolvendo diferentes compradores e vendedores, que apresentam diferentes ofertas de preço (compra/venda) para uma certa quantidade de um certo tipo de peixe.

No mercado financeiro também é assim, com a diferença que se transacionam valores mobiliários como ações e obrigações, moeda e ainda matérias-primas diversas (que vão, por exemplo, do ouro à água ou ao café).

 

Como se organiza o mercado financeiro?

No mercado financeiro intervêm diferentes agentes, tais como investidores, intermediários financeiros, banca, reguladores. O mercado financeiro segmenta-se nos seguintes submercados:

  • Mercado de capitais
    Proporciona a emissão e transação de valores mobiliários como ações ou obrigações e visa investimentos de médio e longo prazos, possibilitando que pequenos investidores financiem diretamente as empresas e o Estado.

  • Mercado de câmbios
    Destina-se à negociação de moeda estrangeira, determinando taxas de câmbio, que expressam o preço de uma determinada moeda em unidades de outra moeda. É o maior e o mais líquido mercado no mundo.

  • Mercado monetário
    Visa a negociação de títulos com maturidades até um ano e elevada liquidez. O seu principal segmento é o mercado monetário interbancário, destinado aos bancos centrais e instituições financeiras, em que estes se podem financiar ou aplicar os seus excedentes.

  • Mercado de crédito
    Consiste na concessão de crédito pelas instituições financeiras.

 

Investimentos para todos os palatos

Há vários tipos de investimento – com diferentes expectativas de rendibilidade e níveis de risco – e estilos de investimento a partir dos quais pode escolher investir. Eis as principais alternativas:

  • Ações
    Representam parcelas do capital de empresas cotadas em bolsa. Ao comprar uma ação torna-se dono de parte da empresa e tem direito a parte dos ativos e ganhos que a empresa terá. O seu preço depende de vários fatores, como o desempenho da empresa e as expectativas dos investidores, podendo por isso apresentar rendibilidades variáveis.

  • Obrigações
    São títulos de dívida que representam empréstimos, emitidas por empresas ou pelo Estado, com uma determinada maturidade e que oferecem aos obrigacionistas uma taxa de juro – que pode ser fixa ou variável – que se conhece a priori. No fim do empréstimo é restituído ao investidor o montante investido e o respetivo rendimento em juros.

  • Fundos de investimento e ETF
    Possibilitam a diversificação nos investimentos através do acesso fácil a um mixde vários ativos financeiros. Estes instrumentos financeiros agregam recursos de muitos pequenos investidores e, sob uma gestão profissional, constroem uma carteira de investimento diversificada com diferentes combinações de rendibilidade/risco.

  • Seguros de capitalização
    Vulgarmente conhecidos por unit linked, são soluções de poupança de longo prazo sob a forma de seguros do ramo vida com a particularidade de serem contratos ligados a fundos de investimento. Dão aos investidores a possibilidade de aliarem seguros e investimentos sob um único plano integrado.

  • PPR
    Os planos de poupança reforma são soluções de poupança de médio e longo prazo, com o objetivo de financiar um complemento de reforma. Podem assumir a forma de seguros ou de fundos de investimento e estão disponíveis em três modalidades: com taxa garantida, com capital garantido e com risco de capital.

  • Produtos estruturados
    São depósitos que garantem a totalidade do capital investido no final do prazo, permitindo assim a obtenção de uma remuneração variável e indexada à evolução de um ativo subjacente. Podem ser de risco limitado ou não e permitem o acesso a mercados financeiros tipicamente inacessíveis aos pequenos investidores de uma forma fácil e flexível.

  • Produtos derivados
    São geralmente caracterizados pelo seu efeito de alavancagem. Tratam-se de produtos financeiros complexos cujo valor se baseia no preço de outro ativo, o ativo base ou ativo subjacente (ações, obrigações, índices de mercado, matérias-primas, moeda, taxas de juro, etc.). São exemplos disso as opções, os futuros e as swaps.

 

O que não deve esquecer quando decide investir

Investir nos mercados financeiros implica conhecer o risco que está disposto a correr e ter definido um perfil, seja ele conservador ou mais dinâmico, em função do qual devem ser delineadas potenciais decisões e estratégias de investimento. Nesse processo deve analisar sempre o horizonte temporal do investimento e a rendibilidade esperada, bem como o montante a aplicar e o grau de conhecimentos financeiros que possui. A decisão de investimento deve ser sempre racional, consciente e bem informada.

O BiG pode ajudá-lo

Receba a nossa newsletter

Fique a par das últimas novidades do BiG e receba periodicamente os nossos conteúdos.