Cibersegurança: uma prioridade com potencial?

Cibersegurança: uma prioridade com potencial?

O mercado da cibersegurança tem vindo a afirmar-se e a ganhar notoriedade nos últimos anos. É o resultado de uma sociedade que, cada vez mais, vê na informação a principal moeda de troca e que a necessita de proteger de ataques informáticos como o vírus que, ainda em 2017, de acordo com a Europol, alcançou 150 países, afetando cerca de 200 mil computadores.

Por cibersegurança entende-se o desenvolvimento de técnicas de proteção de sistemas, programas e infraestruturas de redes contra ataques informáticos como vírus e spam. É um mercado em clara expansão, prevendo-se que tenha um valor global de 248,26 mil milhões de dólares em 2023, e isto deve-se não só ao aumento da procura por produtos de segurança informática, uma vez que a tendência aponta para o aumento da frequência de ataques informáticos, mas também devido à crescente oferta que tem vindo a surpreender pela sofisticação.

A cibersegurança ganha ainda mais relevância com a entrada em vigor do Regulamento Geral de Proteção de Dados da União Europeia, que não permite a utilização de dados pessoais sem o respetivo consentimento e que obriga a que as empresas reportem falhas na proteção de dados.

Das redes sociais às compras on-line, há trocas e utilização de dados confidenciais como números de identificação pessoal ou palavras-passe, muito apetecíveis para o cibercrime. A maioria das organizações, independentemente da dimensão, está assim exposta ao cibercrime, tornando-se inevitável, num mundo cada vez mais digital, priorizarem a sua proteção.

 

Quanto vale a indústria da cibersegurança?

Investir em cibersegurança é globalmente assumido como uma prioridade, o que confere boas taxas de crescimento ao setor. A isto não é alheio o rápido aumento do cibercrime e os consequentes danos financeiros e reputacionais. De acordo com a consultora americana Gartner, a indústria global terá investido mais de 114 mil milhões de dólares em mecanismos de ciberproteção em 2018. Em 2019, a mesma consultora prevê que este investimento aumente para 124 mil milhões, o que representa um crescimento anual de cerca de 8,7%.

 

Quem são os principais players?

A indústria da cibersegurança é bastante fragmentada e o seu dinamismo leva a que seja muito fértil em fusões e aquisições. No universo da cibersegurança marcam presença empresas como a britânica Darktrace, que proporciona anticorpos digitais para as máquinas aprenderem a lutar contra ameaças sem intervenção humana, a sueca ASSA Abloy, especializada na produção de chaves bluetooth com diferentes direitos de acesso, ou as americanas Fortinet e Symantec, que disponibilizam tecnologias que permitem detetar situações de crime ou anomalias mais rapidamente.

 

Porquê investir na cibersegurança?

Num cenário de bull market, as empresas de cibersegurança poderão fazer sentido como possível investimento em carteira por parte de um investidor que privilegie uma estratégia de crescimento. As interessantes perspetivas de crescimento deste setor conferem um prémio (a nível fundamental) às respetivas ações, o que poderá, de forma inversa, exponenciar o seu desempenho negativo se assistirmos a um potencial bear market.

O setor de cibersegurança pode, por isso, ser visto não apenas como uma alternativa, mas como uma mais-valia comparativamente com o investimento em outros setores.

 

Como investir na cibersegurança?

Para que o investimento seja otimizado, importa estudar as empresas do setor utilizando métricas como:

  • Múltiplos de avaliação (PER, Price to Book Value);
  • Análise de margens;
  • Crescimento das receitas e dos lucros, estudando a solidez do balanço das empresas.

 

Adicionalmente, será também desejável que considere as tendências do setor para compreender se a(s) empresa(s) em que pretende investir estão bem posicionadas para responder a futuros desafios.

Se após todas estas análises desejar avançar e investir em cibersegurança, poderá fazê-lo através de ações de empresas especializadas no setor ou através de ETF ou fundos de investimento focados nesta área.

O BiG pode ajudá-lo

Receba a nossa newsletter

Fique a par das últimas novidades do BiG e receba periodicamente os nossos conteúdos.